Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > ACONTECE > NOS DIAS 1,2 E 3 , COM O TEMA "AQUECIMENTO GLOBAL E OS TRABALHADORES DO SETOR ALIMENTÍCIO

Nos dias 1,2 e 3 , com o tema "Aquecimento global e os trabalhadores do setor alimentício

23/11/2009

Escrito por: Fonte - Cut Nacional

Nos dias 1,2 e 3 , com o tema
Escrito por Leonardo Severo

Com o tema "Aquecimento global e os trabalhadores do setor alimentício", a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac/CUT) realizará seu 6º Congresso nos dias 1º, 2 e 3 de dezembro no Hotel Estância Atibainha. Em entrevista ao Portal do Mundo do Trabalho, o presidente da Contac, Siderlei de Oliveira faz uma avaliação da importância do evento, para o qual são esperados cerca de 300 delegados de todo o país.

Às portas do 6º Congresso da Contac, qual a avaliação que tens sobre a sua relevância para a organização da categoria?

Este será um Congresso histórico para a Contac e para a CUT, pois colocará num novo patamar a participação dos trabalhadores do setor alimentício dentro da nossa Central. É alto o número de novos filiados, muitos vindos das demais centrais, atraídos pela luta que estamos desenvolvendo neste último período, o que reforça a nossa responsabilidade e potencializa o processo de legalização da nossa Confederação.

O balanço da atuação da entidade no período é altamente positivo...

Tivemos várias lutas neste período, muito focadas na questão da saúde do trabalhador, com intervenções a nível nacional e internacional buscando a redução das doenças do setor avícola. Esta campanha se desenvolveu junto aos países importadores dos produtos brasileiros, onde buscamos conscientizar os consumidores. Nossa linha foi alertar para o preço que pagam os trabalhadores do setor para produzir o frango, lembrando que o que sai barato para eles, nos sai muito caro.

Qual é a proposta da campanha?

A campanha está calcada no convencimento dos importadores dos produtos avícolas sobre a necessidade de uma contrapartida: a de que somente importem produtos oriundos com um selo social emitido pelas organizações dos trabalhadores do setor, garantindo que tal bem não produziu mal, foi feito sem provocar doenças. É diferente do selo que alguns governos e empresas estrangeiras tentam impor para fazer lobby contra os nossos produtos, o objetivo é defender a saúde e a segurança no ambiente de trabalho.

Em que pé ela se encontra?

No momento existem várias publicações de organizações de consumidores europeus fazendo abordagens sobre a campanha dos sindicatos brasileiros do setor avícola. É algo visível e estamos sentindo os efeitos positivos da nossa pressão, que repercutiu inclusive dentro do Congresso Nacional e tem nos trazido avanços. Exemplo disso é o anteprojeto de redução da jornada de trabalho sem redução de salário para turnos de seis horas diárias. Este projeto, que contempla a todos os empregados submetidos ao trabalho penoso no setor avícola, tramita no Senado Federal e na Câmara Federal, pois foi assumido pelo senador Paulo Paim e pelo vice-presidente da Câmara, Marco Maia. Com toda certeza, o 6º Congresso da Contac apontará caminhos para recrudescer esta campanha em defesa da saúde e da segurança do trabalhador, como frisei anteriormente.

Foi com este norte que a Contac organizou a ocupação da sala de comissões do Senado, antecedendo a Marcha a Brasília.

Exato. Com 400 lideranças da alimentação de todo o país ocupamos três salas no Senado e realizamos uma vitoriosa audiência pública, solicitada pela Contac, como forma de acelerar a tramitação do nosso projeto de redução da jornada. Além de estar no Senado, o projeto já está tramitando em três comissões da Câmara e, uma vez aprovado, vai direto para a sanção presidencial. Estamos otimistas.

E a organização dos trabalhadores da cadeia produtiva?

Temos um lema que é organizar os trabalhadores da terra ao prato. Daí a importância de que o 6º Congresso trace estratégias para garantir o avanço da organização do conjunto da cadeia produtiva, especialmente dos assalariados rurais nos principais estados brasileiros. Uma das propostas que serão apresentadas é a criação de sindicatos singulares, agro-industriais, conhecidos como Sintagros. Existem algumas experiências deste tipo nos Estados da Bahia e de Santa Catarina, filiados à Contac.

E a questão qualidade dos alimentos, da contaminação da terra, da água e do ar, da exposição dos trabalhadores do setor?

O setor alimentício depende muito da qualidade da produção agrícola, da forma como é tratado o campo. Temos várias ordens de problema, como a existência de produtos com alta contaminação por agrotóxico, que significa produção de má qualidade alimentícia dentro das fábricas. O manuseio destes produtos com forte presença de pesticidas implica numa agressão à saúde dos trabalhadores, além logicamente de prejudicar enormemente o consumidor final. A questão da poluição por emissão de gases também afeta diretamente a saúde e a própria segurança em três situações: na lavoura, pela exposição dos trabalhadores rurais aos raios ultravioletas que não forem filtrados pela camada de ozônio da atmosfera, o que implica na incidência de grande quantidade de pessoas vitimadas por câncer de pele; a redução da produção de alimentos causados pelas intempéries climáticas provocadas pelo aquecimento e a redução dos postos de trabalho, com a falta de produtos para industrializar devido à queda da produção do campo. A redução na emissão de gases no meio ambiente é uma necessidade, e estamos prontos para fazer a nossa parte, mas, acima de tudo, deve ser assumida fundamentalmente pelos países ricos que, infelizmente, querem continuar poluindo.

A tal responsabilidade social que os países centrais e suas multinacionais tanto alardeiam parece ter uma via única, só serve em benefício próprio.

Pois é, tem muita propaganda e quase nenhuma ação concreta, mas nós, enquanto trabalhadores, precisamos estar atentos e mobilizados, alertando a sociedade e os governos para os riscos que implicam esta postura irresponsável de colocar o cifrão acima da vida.

O verde da vida.

Por falar em verde, dentro da questão ecológica uma das nossas prioridades é a preservação do meio ambiente na selva amazônica e no Serrado, eliminando a criação bovina nestas regiões que, neste momento, encontra-se em grande ascensão. Precisamos de soluções que surtam efeito imediato. O nosso Congresso solicitará que o governo brasileiro assuma uma moratória de 20 anos para a selva amazônica, o que significa que durante duas décadas não se erga mais nenhuma hidrelétrica, além naturalmente das que estão em construção. Também defendemos que, neste período, através da ação governamental, haja o reflorestamento da parte devastada.

Colocar a ciência e a tecnologia a serviço da Humanidade.

O fato é que o desenvolvimento científico e tecnológico das últimas décadas tem sido notável, basta ver que se pegarmos o ano de 1980 em diante, a produção de grãos brasileira cresceu 142%, enquanto a área plantada expandiu-se 24% no período. Este é um dado que reforça incluisve a necessidade da atualização dos índices de produtividade da terra, elemento central para a aceleração e aprofundamento da reforma agrária. Além disso, repetindo dados divulgados pelo presidente Lula, temos ainda 77 milhões de terras agricultáveis fora da Amazônia, o que abre um amplo horizonte de atuação para colocarmos fim ao flagelo da fome no planeta, que aflige mais de um bilhão de pessoas.

Que pensas da Cúpula Mundial sobre a Segurança Alimentar, realizada recentemente em Roma?

A Cúpula destacou a necessidade de produzirmos alimentos no lugar onde residem os pobres e famintos e impulsionar os investimentos agrícolas nessas regiões. Conforme o diretor geral da FAO (Organização da ONU para Agricultura e Alimentação), o senegaç}es Jacques Diouf, para eliminarmos a fome da face da Terra são necessários 44 bilhões de dólares anuais em investimentos em infraestrutura, tecnologia e insumos modernos. Trata-se de uma quantidade pequena se comparada com os 1,3 trilhão de dólares que o mundo gastou em armamentos somente no ano de 2007. O fato é que com os anos de neoliberalismo, houve o afastamento do Estado e palavras como soberania alimentar viraram pecado, pois a produção de alimentos começou a se ditada não pelas necessidades humanas, mas pelo imperativo de lucro das multinacionais, da ganância especulação especulativa que tomou conta de vários mercados, como o de cereais, com os alimentos sendo tratados como commodities. Esta é uma questão estratégica que precisamos resolver se queremos construir um mundo melhor.

A perspectiva é favorável?

Diria que temos muita luta pela frente, mas estamos cada dia mais fortalecidos, com imensa energia e experiência acumuladas, tanto do ponto de vista sindical, como social e também de governos, muito mais sensíveis e suscetíveis a adotar outro caminho, como é o caso particularmente da América Latina. No Brasil, precisamos fazer a nossa parte enquanto Contac/CUT. No próximo dia 28, a Federação dos Trabalhadores da Alimentação no Paraná e Sindicatos, que reúnem mais de 90 mil trabalhadores do setor avícola realizarão um ato de filiação à Central Única dos Trabalhadores em Curitiba, onde vamos somar ainda mais pressão em favor de mudanças que melhorem a qualidade de vida e trabalho do setor, mas que também apontem para a construção de uma articulação mais pesada, que contemple este horizonte de transformações de que falei.
  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado


CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP
Telefones: (0xx11) 2108-9156 - (0xx11) 2108-9301 - (0xx11) 2108-9195 - (0xx11) 2108-9253 - FAX (0xx11) 2108-9300
E-mails: direcao@cntsscut.org.br – tesouraria@cntsscut.org.br – imprensa@cntsscut.org.br

CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF
Telefone: (0xx61) 3224-0818 | E-mail: df@cntsscut.org.br