Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > SINDSAÚDE MG DENUNCIA: SURTO DE FEBRE AMARELA É FALHA NA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA

Sindsaúde MG denuncia: surto de febre amarela é falha na gestão da saúde pública

19/01/2017

Sindicato alerta para a falta de profissionais na proporção que um surto de doença grave como a febre amarela exige

Escrito por: Sindsaúde MG

 

A febre amarela assusta os mineiros neste começo de ano. Depois de décadas sem a ocorrência de nenhum caso, a secretaria de estado da saúde (SES/MG) confirmou na terça-feira, 17/01, a notificação de 184 casos suspeitos e 37 casos “prováveis” – com pacientes apresentando quadro clínico suspeito e exame preliminar reagente. Foram confirmadas 53 mortes, sendo que o governo confirma que 22 óbitos são “casos prováveis” de febre amarela.

 

O Ministério da Saúde descarta um surto de febre amarela em Minas Gerais, embora o governo do estado tenha decretado situação de emergência na região das cidades onde têm ocorrido os casos. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a confirmação em laboratório de um único caso da febre amarela é considerada surto.

 

Infelizmente, de maneira tardia, se percebe que áreas de risco ficaram desguarnecidas de vacinação que é a única forma de prevenção da doença.       

 

Até agora, conforme o informe epidemiológico da SES divulgado na terça, as mortes relacionadas ao surto de febre amarela aconteceram em Ladainha (8), Piedade de Caratinga (4), Ipanema (2), Malacacheta (2), Imbé de Minas (1), Ubaporanga (1), São Sebastião do Maranhão (1), Itambacuri (1), Poté (1) e Setubinha (1). Esse é o retrato do momento, mas o governo tem que estar atento porque para mosquito não existem fronteiras – a forma urbana da doença é transmitida pelo mesmo mosquito que espalha a dengue, a zika e a chykungunya.   

 

Os pacientes suspeitos de estarem com a doença vêm sendo encaminhados para o Hospital Eduardo de Menezes (HEM), localizado na região do Barreiro, em Belo Horizonte. O HEM é o principal centro de referência para o tratamento de doenças infecto-contagiosas no estado. Há mais de 30 anos as equipes de saúde do Hospital se destacam, por exemplo, no atendimento de pessoas soropositivas para o vírus da Aids.

 

O trabalho dos servidores do HEM é inestimável à população. É exatamente em situações de emergência, como acontece agora com o surto de febre amarela, que o trabalho dos trabalhadores do Eduardo de Menezes se revela na sua eficiência. E em reconhecimento, é dever dos gestores locais e estaduais darem condições dignas e humanas para esses servidores. É o mínimo que se exige para os cuidadores que salvam vidas.  

 

Falha na prevenção

 

E se os servidores do Eduardo de Menezes se destacam na dedicação do tratamento dos pacientes, o SindSaúdeMG, representante de todos os trabalhadores do Sistema Estadual de Saúde de Minas Gerais, alerta para a falta de profissionais na proporção que um surto de doença grave como a febre amarela exige.

 

Homologado em 2014, o concurso para preencher cargos na SES/MG continua sendo letra morta. Entre os aprovados, e na espera de serem nomeados pelo governo do estado, estão dezenas de profissionais especializados da vigilância epidemiológica, de níveis técnico e superior.

 

O Sindicato insiste na vital importância do trabalho de prevenção e controle do surto de febre amarela que pode ser afetado pela falta de pessoal em Minas Gerais. Como se sabe, a febre amarela pode ser silvestre, ocorrendo em região de matas e seu hospedeiro natural não é o homem. Nas cidades, o hospedeiro é o homem picado pelo mosquito aedes aegypti  e o drama pode ser ampliado se pensarmos que o país todo está infestado como comprovam as epidemias de dengue em todos os anos.

 

O alerta está dado. Depois de décadas banida da vida dos mineiros, a febre amarela reapareceu por falta de prevenção e controle epidemiológico -  acusando a falha clara na responsabilidade do poder público encarregado de fazer a gestão da saúde da população. 

 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

Copyright @ CUT Central Única dos Trabalhadores | 3.820 - Entidades Filiadas | 7.890.353 - Sócio | 24.062.754 - Representados
CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP | Telefone (0xx11) 2108 9200 - Fax (0xx11) 2108 9310
CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF | Telefone: (0xx61) 3322 5062 e (0xx61) 3322-5060