Twitter Facebook

CNTSS > LISTAR NOTÍCIAS > ACONTECE > RECRIADA A FRENTE PARLAMENTAR PELA PREVIDÊNCIA SOCIAL

Recriada a frente parlamentar pela Previdência Social

01/06/2016

Lançamento ocorreu no Senado e reuniu representantes de movimentos sociais e sindicais; participantes cobraram a volta do Ministério da Previdência

Escrito por: Sindsprev PE / Agência Senado

 

 

O Sindsprev PE participou nesta terça-feira (31) do lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social. A atividade, que foi realizada no Senado, no auditório Petrônio Portela, reuniu parlamentares, representantes de movimentos sociais e sindicatos de trabalhadores. Os participantes cobraram a volta do Ministério da Previdência, extinto pelo presidente interino Michel Temer por meio da Medida Provisória (MP) nº. 726.


A bancada suprapartidária de senadores e deputados federais pretende atuar em defesa da manutenção dos direitos sociais, da gestão transparente da Seguridade Social e do equilíbrio financeiro e atuarial da Previdência Social pública e solidária.

 
O ato representou a recriação da frente que já atuou no Congresso com a mesma finalidade. A reorganização foi proposta pelo senador Paulo Paim (PT-RS) e pelo deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB – SP), em resposta a sugestão da Associação nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip) A frente conta com o apoio de mais de 50 entidades, entre elas organizações sindicais do setor público e privado.

 

Idade mínima

 

O auditório lotado aplaudiu discursos marcados por críticas a propostas apontadas como parte de futura reforma da Previdência. Entre as medidas, se inclui a fixação de idade mínima de aposentadoria, que poderia chegar a 65 anos, valendo a mesma idade para homens e mulheres. Primeiro a falar, Paim assegurou que a frente atuará de modo “intransigente” para que sejam mantidos os direitos sociais e previdenciários.

 
— Nossa tarefa não será fácil, pois os ataques serão enormes. Mas temos certeza que, com nossas convicções e consciência, sairemos vencedores — disse o senador.

 
Faria de Sá, assim como já havia feito Paim, negou a existência de déficit nas contas da Previdência. Com base em números da Associação Nacional dos Auditores da Receita Federal do Brasil (Anfip), ele disse que o superávit chegou a mais de R$ 54 bilhões em 2014. Para o deputado, os números são manipulados para enfraquecer o conceito de previdência pública.

 
— A luta é desigual. É uma guerra da economia contra a Previdência Social. Lamentavelmente, eles querem inviabilizar a previdência pública em favor da previdência privada.

 

“Puxadinho”
 

Durante o ato houve também grita geral pela reativação do Ministério da Previdência Social, extinto pelo presidente interino Michel Temer. A área de arrecadação ficou com o Ministério da Fazenda, enquanto o pagamento de benefícios passou para a pasta do Desenvolvimento Social. Paim afirmou que a Previdência virou um “puxadinho” da Fazenda para que depois os recursos sejam colocados à disposição do sistema financeiro.

 
— Devolvam o Ministério da Previdência aos trabalhadores e não mexam na CLT, e vida longa à previdência pública brasileira! — defendeu.


 
O presidente da Anfip, Vilson Romero, observou que todos os governos, sem exceção, tentam emplacar reformas no sistema previdenciário. Por isso, entende que as entidades devem se abster de fazer “luta política” a favor de governos, para se concentrar nos interesses dos trabalhadores. Ele também salientou que, ao promover incentivos ao setor privado, os governos abrem mão de contribuições sociais, o que significa dar “esmola com chapéu alheio”. Segundo o dirigente, a perda de recursos deve chegar a R$ 69 bilhões somente em 2016. Citou ainda as dívidas de contribuições sociais não cobradas, de mais de R$ 370 bilhões.

 
— Por isso, nada mais justo que acabar com os ralos da Previdência e só depois pensar em reformas — defendeu.

 

Pressão nas ruas

 

Sindicalistas fizeram sugestões de ações para reforçar a defesa da Previdência perante a sociedade. Rosa Fonseca, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), defendeu uma campanha nacional para rebater informações distorcidas que, segundo ela, são transmitidas diariamente pela mídia. Varlei Gonçalves, da Federação Brasileira dos Aposentados, propôs manifestações nas ruas.

 
— Meia dúzia de artistas conseguiu recriar o Ministério da Cultura, e só de aposentados, o país tem 33 milhões de pessoas. Vamos deixar que acabem com a nossa Previdência? — questionou.

 
Um dos senadores presentes foi o líder do PT, Humberto Costa (PE), que destacou o compromisso do partido em apoiar, na discussão da reforma, a “construção de um caminho que não traga perda de benefícios”. Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse que o interesse maior é a manutenção dos direitos dos trabalhadores, “que constroem o Brasil e vivem muito mal”, e os das mulheres, que podem ser muito prejudicadas com as mudanças nas regras previdenciárias.

 
O lançamento da frente foi organizado como parte de uma programação da Comissão de Direitos Humanos (CDH), que é dirigida por Paim. O evento teve sequência à tarde, com a realização de seminário que discutiu a situação do sistema previdenciário.


 
Sindsprev PE / Agência Senado 


 

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Copyright @ CUT Central Única dos Trabalhadores | 3.820 - Entidades Filiadas | 7.890.353 - Sócio | 24.062.754 - Representados
CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP | Telefone (0xx11) 2108 9200 - Fax (0xx11) 2108 9310
CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF | Telefone: (0xx61) 3322 5062 e (0xx61) 3322-5060