Twitter Facebook

CNTSS > ARTIGOS > O QUE RAFAEL BRAGA E O DEPOIMENTO DO LULA NOS ENSINAM SOBRE O RACISMO INSTITUCIONAL?

O que Rafael Braga e o depoimento do Lula nos ensinam sobre o racismo institucional?

Escrito po: Maria Julia Nogueira e Rosana Sousa

18/09/2017

No Congresso Extraordinário, a CUT relançou a Campanha Basta de Racismo no Trabalho e na Vida, com o objetivo de informar as bases e a população sobre como o racismo opera e afeta toda a população

 

O dia 13 de setembro nos mostrou mais uma vez como o racismo funciona na sociedade brasileira e como ele está arraigado nos discursos e principalmente no sistema judiciário.

 

O racismo nos foi imposto para organizar a sociedade brasileira e naturalizado inclusive através do vocabulário, costumes e práticas. Nas falas cotidianas ouvimos várias expressões racistas e muitas vezes as pessoas nem se dão conta, tamanha a naturalização do preconceito: “Não sou tuas negas”, “Serviço de Preto”, “Da cor do Pecado”, “Denegrir”.

 

A palavra “denegrir” é recorrente quando acreditamos que estamos sendo difamados, é uma palavra vista como pejorativa, porém seu real significado é “tornar negro”. O preconceito racial é evidente: se é negro, não é bom.

 

Durante seu depoimento em Curitiba, Lula chamou a atenção de Sergio Moro por utilizar a expressão denegrir (e pasmem, há quem o tenha transformado em verbo):

 

— Aliás um conselho: o senhor usa a palavra "denegrir" contra o advogado da Espanha que fez acusações, que o senhor não consultou. Politicamente não é correto falar denegrir porque o movimento negro do País não gosta.

 

Moro sem prestar atenção, sem reconhecer o enorme prejuízo de suas palavras e sem pedir desculpa aos 52% da população negra brasileira seguiu dizendo que aquilo não fazia parte do processo.

 

A linguagem modela sentimentos e emoções e por isso é preciso saber e combater o uso de palavras ou expressões que naturalizam a discriminação.

 

Mas e onde entra Rafael Braga?  Um jovem negro e pobre catador de material reciclável, foi condenado a 11 anos de prisão, por tráfico e associação tráfico, por portar, em um flagrante forjado, 0,6 gramas de Maconha e 9,6 gramas de Cocaína. Várias organizações, incluindo a CUT, começaram uma campanha pela liberdade de Rafael Braga. Ontem ele ganhou o direito a prisão domiciliar para tratar uma tuberculose que ele contraiu na prisão, mas segue respondendo pelo crime. 

 

A população carcerária do Brasil hoje é composta por mais de 60% de negros, um comandante da polícia militar já afirmou que policiais são treinados a fazer abordagens distintas em áreas nobres e nas periferias, de cada de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil 71 são negras, os jovens negros entre 12 e 29 anos estão mais vulneráveis ao homicídio do que brancos na mesma faixa etária. Todos esses números nos mostram que a naturalização da violência contra negros e negras se dá por processos históricos e econômicos de desigualdade no país.

 

Com tudo isso voltamos ao tema da importância da nossa luta no combate ao racismo. Ele existe e existe todos os dias, em todos os momentos, em ações e expressões. Quem não entendeu ainda que a luta contra o racismo é também uma luta contra o capitalismo e a opressão de todas as pessoas precisa reavaliar os pontos de vista.

 

Durante o Congresso Extraordinário e Exclusivo, a CUT relançou a Campanha Basta de Racismo no Trabalho e na Vida, com o objetivo de formar e informar nossas bases e a população sobre como o racismo opera e como ele afeta a toda a população. Fatos como estes nos mostram como é importante seguir em luta contra o racismo e abraçar essa causa.

 

Liberdade para Rafael Braga!

 

Basta de Racismo no Trabalho e na Vida!

 

 

 

Maria Julia Nogueira e Rosana Sousa, respectivamente, secretaria Nacional de Combate ao racismo e secretária Adjunta

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

Nome:
E-mail:
Título:

Copyright @ CUT Central Única dos Trabalhadores | 3.820 - Entidades Filiadas | 7.890.353 - Sócio | 24.062.754 - Representados
CNTSS – São Paulo - Rua Caetano Pinto nº 575 CEP 03041-000 Brás, São Paulo/SP | Telefone (0xx11) 2108 9200 - Fax (0xx11) 2108 9310
CNTSS – Brasília - SCS - QD.01 Bloco "I"- Ed. Central - 12º andar - Salas 1.201 e 1.208 - CEP: 70.304-900 – Brasília/DF | Telefone: (0xx61) 3322 5062 e (0xx61) 3322-5060